A campanha de prevenção ao suicídio não pode parar. Trata-se de um alerta a ser feito de forma constante e direcionado a todas as pessoas. É imprescindível que os olhos da sociedade continuem atentos a todo tipo de sinal emitido por alguém que está prestes a tirar a própria vida.

O alerta se faz necessário em virtude das estatísticas. De acordo com o Ministério da Saúde, todos os anos, no Brasil, cerca de 11 mil pessoas se matam, sendo que entre 2011 e 2016 a quantidade de vítimas chegou a 62.804. Os homens representaram 79% dos casos e as mulheres 21%. Eles são os que mais concretizaram o ato, no entanto elas realizaram mais tentativas.

O suicídio é uma triste realidade em todo o mundo que atinge diferentes idades, orientações sexuais, estados civis, profissões e apresenta características variadas. Trata-se de um fenômeno multifatorial, ou seja, sem uma causa específica e sujeito a um conjunto de condições favoráveis à tomada de decisão. Os transtornos psiquiátricos estão entre os primeiros da lista que podem levar ao suicídio. Entre eles a depressão e a bipolaridade – problemas típicos da modernidade. Ao lado das patologias de origem psíquica estão a predisposição (carga genética) potencializada por fatores externos a exemplo de crises financeiras e de relacionamento, discriminação, doenças incuráveis e/ou em estágio terminal, conflitos familiares e perda abrupta de alguém querido.

Um detalhe muito importante a ser considerado é que a próxima vítima não é necessariamente um desconhecido, pode ser alguém da família, do trabalho e da vizinhança que de alguma forma tenta dizer – consciente ou inconscientemente, que não está bem e precisa de ajuda. Ao contrário do que se pensa, quem tem pensamentos suicidas, no fundo, deseja encontrar alguém que possa simplesmente ouvir. Outro mito que precisa ser desconsiderado, o quanto antes, é o de que quem quer se matar não avisa, simplesmente faz. A verdade é que há sinalizações de que o pior pode ocorrer, seja por palavras ou comportamentos:

  • frases negativas frequentes: “Não aguento mais!”; “Prefiro estar morto!”; “Estou cansado desta vida!”; “Vou dar um fim neste sofrimento!”, entre outras;
  • desinteresse total pela rotina, inclusive por atividades que sempre deram prazer;
  • isolamento;
  • baixa autoestima;
  • depressão aguda;
  • doação de objetos aos quais tem apego como forma de ser lembrado;
  • elaboração de mensagens para revelar os reais sentimentos e/ou despedir-se;
  • outros.

Sabia que você pode salvar uma vida? Prevenir o suicídio é uma tarefa de todos. O primeiro passo é identificar a possível vítima e tentar conversar para ouvir suas angústias e mostrar que ela não está sozinha. Caso não se sinta à vontade para falar, tente alertar uma pessoa mais próxima dela para fazer essa aproximação. Em seguida, é fundamental procurar um profissional, que investigará a origem do problema e iniciará o tratamento, que pode ou não incluir a prescrição de medicamentos.

Saiba mais sobre a Dra. Gisele Monteiro Coelho

Natural de Brasília, DF. Formou-se em Medicina pela Universidade de Brasília, em 2007, fez Residência Médica em Medicina do Trabalho pelo Hospital do Servidor Público do Estado de São Paulo, de 2008 a 2010, e em Psiquiatria pela Secretaria de Saúde do GDF, no Hospital São Vicente de Paulo, no período de 2013 a 2016.

A escolha pela Psiquiatria ocorreu pelo contato frequente com trabalhadores afastados ou comprometidos na sua vida laborativa decorrente dos transtornos relacionados à saúde mental.

Atualmente, a Dra. Gisele Monteiro Coelho faz parte do corpo clínico no Hospital Daher Lago Sul, onde realiza atendimento ambulatorial às segundas-feiras.

Saiba mais sobre o Hospital Daher:

O Hospital Daher Lago Sul é referência no Distrito Federal. Oferece atendimentos em diversas especialidades, bem como procedimentos modernos e eficazes voltados para o diagnóstico, acompanhamento e tratamento das doenças. Por promover um serviço humanizado, acolhedor e seguro e, consequentemente, a saúde e o bem-estar, o Hospital Daher é visto como um Centro de Hospitalidade. Como hospital geral de localização privilegiada, garante um atendimento diferenciado, pautado pela hospitalidade, humanização e eficiência. O cliente saúde Daher conta com consultórios ambulatoriais, centro cirúrgico, pronto-socorro, unidade coronariana e UTI adulto, além de modernos centros de cardiologia, oncologia, terapia infusional e laser e dermatologia, todos referências em Brasília. Além disso, o Hospital Daher foi a primeira instituição do Centro-Oeste a obter a certificação ISO 9001 em hotelaria hospitalar e é certificado ONA nível III.

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *